Vício em celular pode ser comparado ao vício em drogas, dizem especialistas

O uso constante de celular pode ser comparado ao vício em drogas, afimam especialistas. Cada vez mais presente no mundo em que vivemos, muita gente se torna refém do aparelho.

De acordo com Mario Louzã, médico psiquiatra formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), é possível aliar os comportamentos de quem utiliza um entorpecente a quem não deixa o aparelho de lado.

“O principio de qualquer dependência é muito parecido, seja químico ou comportamental. Você tem desejo intenso de buscar aquilo. O segundo aspecto é a síndrome de abstinência. Quando fica sem usar você tem reações de ansiedade, irritabilidade. E o terceiro ponto é a tolerância. O uso contínuo faz a pessoa querer aumentar a dose para ter o mesmo efeito”, explica.

Também revela que mais de 60% de mais de 2.000 entrevistados no Brasil já utilizam o smartphone para fins profissionais fora do horário normal de trabalho.

Já a distração com o aparelho durante o trabalho ocorre com alguma ou muita frequência para 43% dos respondentes.


A Pesquisa Global Mobile Consumer Survey, de 2018, da consultoria Deloitte, mostra que o celular é o meio mais popular de acesso à internet (95%), bem à frente do computador (64%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *